PREVENÇÃO AO CÂNCER

    0
    104

    Dispõe sobre a detecção precoce do câncer hereditário de mama e ovários no âmbito do Município de Três Corações.

    Art. 1º O Município de Três Corações, por meio de seu sistema público de saúde, disponibilizará o acesso a aconselhamento genético com profissional especializado e, se necessário, a realização de teste genético para investigar a presença de mutações genéticas em genes de predisposição ao câncer de mama e ovários.

    Parágrafo único. O encaminhamento para o cumprimento do que determina o caput, poderá ser feito sempre que a paciente, assistida no sistema público de saúde do Município, apresentar características que indicam possibilidade de alteração genética.

    Art. 2º São critérios que indicam a necessidade de pesquisa oncogenética a ocorrência familiar de:

    I – dois ou mais parentes de primeiro grau que desenvolveram câncer de mama e/ou ovário;

    II – duas pessoas com essa(s) doença(s) do mesmo lado da família (do pai ou da mãe), uma delas com menos de 50 anos de idade;

    III – parente de primeiro ou segundo grau que apresentou câncer de mama ou ovário com idade abaixo dos 40 anos de idade;

    IV – câncer em ambas as mamas na mesma mulher;

    V – câncer de mama e ovário na mesma mulher ou na mesma família;

    VI – múltiplos cânceres de mama na mesma mulher;

    VII – dois ou mais membros da mesma família com câncer e com BRCA1 ou BRCA2 (genes que produzem proteínas supressoras de tumor e que codificam as proteínas que funcionam no processo de reparação do DNA, sendo que sua mutação é que está correlacionada com o aparecimento do câncer), mutados;

    VIII – casos de câncer de mama em homem da mesma família;

    IX – fenômeno da antecipação, ou seja, o aparecimento mais precoce a cada geração;

    X – descendência de judeus Ashkenazi com história de câncer de mama/ovário.

    Art. 3º Concluída a avaliação oncogenética, todas as mulheres com mutações genéticas, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2, deverão ser orientadas sobre as seguintes possibilidades:

    I – realizar cirurgia de remoção das trompas e dos ovários (salpingooforectomia bilateral redutora de risco – SORR), sendo que o elevado risco de câncer nesses órgãos e a ausência de exames de rastreamento eficazes faz com que essa medida seja fundamental entre os 35-40 anos para mulheres com mutação em BRCA1, e entre os 40-45 anos para portadoras de mutação em BRCA2;

    II – realizar a mastectomia (retirada completa da mama por meio de cirurgia), medida definitiva e extremamente eficaz na redução do risco de câncer de mama nessas mulheres, as quais, dado o alto risco de desenvolvimento da doença, possuem indicação embasada cientificamente para sua realização;

    III – quimioprofilaxia, proporcionada por terapias antiestrogênicas com drogas, como o tamoxifeno, o raloxifeno e os inibidores de aromatase, que variam em função da mutação apresentada;

    IV – outras possibilidades.

    § 1º A decisão e a escolha do melhor momento para realizar a mastectomia deve abordar uma discussão sobre o grau de proteção, as opções de reconstrução e os riscos da paciente. Além disso, a história familiar, o risco residual de câncer de mama baseado na idade e a expectativa de vida de cada paciente também devem ser considerados;

    § 2º Com relação ao risco de câncer de mama, o rastreamento deve se iniciar desde os 25 anos de idade, ocorrendo de forma semestral (duas vezes ao ano) com mastologista. Portadoras de mutação em BRCA1/2 devem obrigatoriamente ter incluído no seu rastreamento, além da mamografia e/ou ultrassonografia mamária, a realização de ressonância magnética de mamas, anualmente, desde os 25 anos. Isso deve ser mantido até a decisão de realizar a retirada preventiva de mamas (mastectomia redutora de risco bilateral).

    Art. 4º Todos os direitos legalmente conferidos aos portadores de cânceres, tendo por premissa o direito constitucional de acesso à saúde integral, devem ser respeitados, em especial os direitos preconizados pela Lei Federal nº 14.450, de 21 de setembro de 2022, que criou o programa nacional de navegação de pacientes para pessoas com neoplasia maligna de mama.

    Art. 5º O Poder Executivo Municipal está autorizado a firmar parcerias e convênios com organizações não governamentais, parcerias público-privadas, entidades assistenciais e de saúde, órgãos governamentais, estabelecimentos de saúde, instituições educacionais, empresas, cooperativas, sociedades beneficentes, e outros, para o devido cumprimento do que determina essa Lei.

    Art. 6º As despesas decorrentes da aplicação desta Lei correrão por conta de dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

    Art. 7º O Poder Executivo Municipal poderá regulamentar esta Lei, no que couber, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias a contar da data de sua publicação.

    Art. 8º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, nos termos do art. 174 da Lei Orgânica Municipal.

    Complemento

    Justificativa:

    A presente proposição determina que o Município de Três Corações, por meio de seu sistema público de saúde, disponibilizará o acesso a aconselhamento genético com profissional especializado e, se necessário, a realização de teste genético para investigar a presença de mutações genéticas em genes de predisposição ao câncer de mama e ovários.

    O câncer é uma doença que ocorre devido à multiplicação anômala de células. Células são os pequenos pedaços de matéria orgânica que compõem tudo o que faz parte do nosso corpo: ossos, órgãos, pele, veias, pelos e todo o resto. Elas são vivas e estão em constante renovação, realizando cópias idênticas de si mesmas, processo chamado de divisão celular. A divisão celular não é ruim: pelo contrário, ela é fundamental para repor células antigas e manter o nosso corpo funcionando adequadamente. O problema é que, às vezes, ocorre um erro no momento em que uma célula é copiada. Chamamos esse defeito de mutação. A célula com mutação se comporta de forma diferente das outras: seu ritmo de multiplicação é muito maior, o que dá origem a mais e mais células defeituosas. Com o tempo, elas se acumulam e formam caroços – os famosos tumores. Todo esse processo de multiplicação anormal é chamado de câncer ou carcinoma.

    Existem diversos fatores que influenciam na ocorrência de carcinoma. Na maior parte das vezes ele surge ao acaso, isto é, de forma esporádica, devido à idade ou a fatores ambientais. Nesses casos, ele se deve a uma mutação genética (ou variante genética patogênica) presente somente nas células tumorais – é, assim, chamada de somática. As demais células do corpo não possuem essa alteração no DNA. Entre 5-10% das mulheres que desenvolvem câncer de mama e em mais de 25% das que desenvolvem câncer de ovário, porém, a causa do carcinoma é hereditária: a paciente herdou uma mutação genética de um de seus pais que aumenta significativamente o risco de aparecimento de tumores. Essa mutação está presente não apenas nas células tumorais, mas em todas as células do corpo – é, assim, chamada de germinativa. Por isso, pode ser verificada por meio de um exame de sangue ou saliva.

    O câncer hereditário depende da saúde dos genes. Gene é um pedaço de DNA herdado dos pais, que contém instruções para as nossas células. Se utilizarmos uma metáfora da gastronomia, podemos dizer que o DNA é a receita do nosso organismo, e os genes são os ingredientes para a preparação dessa receita. Se houver algum problema com um de nossos genes, a célula não saberá desempenhar as suas funções.

    Existem dois genes muito importantes para o controle da divisão das células mamárias: o BRCA1 e o BRCA2. Ambos têm a função de reparar erros no DNA celular. Quando uma célula mamária nasce com defeito, esses genes perspicazes irão consertá-la. Assim, ao identificarem uma célula anômala, os genes BRCA1 e BRCA2 reparam o seu DNA antes que ela origine um câncer. O problema é que nem todo mundo possui genes BRCA 1 e 2 saudáveis. Sem eles, não há reparação das células mamárias defeituosas. É como se faltasse uma página no manual de instruções das células, justamente aquela que ensina como consertar o DNA. Com BRCA inativo, o risco de desenvolver câncer de mama e ovários aumenta significativamente.

    Se houver suspeita de câncer hereditário, é recomendável buscar aconselhamento genético com um geneticista. Esse especialista avalia o histórico médico da paciente e das três últimas gerações da sua família e pode recomendar a realização de um teste genético para investigar a presença de mutações genéticas em genes de predisposição ao câncer, entre eles o BRCA1 e BRCA2. O encaminhamento ao geneticista é feito sempre que a paciente apresenta características que indicam possibilidade de alteração genética. O geneticista pode, então, solicitar a testagem genética da paciente por meio de coleta de sangue ou saliva.

    Notório e exemplar é o caso da atriz Angelina Jolie que, portadora de mutação no gene BRCA1, foi diagnosticada com 87% de chances de desenvolver câncer de mama antes dos 50 anos. Por ser uma condição hereditária, a atriz que havia visto outras pessoas de sua família, mãe, avó e tia morrerem de câncer, realizou uma mastectomia bilateral em 2013, e dois anos depois retirou as trompas e os ovários. Símbolo da beleza feminina, a atriz declarou que as cirurgias não fizeram com que ela se sentisse menos mulher.

    Mais importante é ressaltar que a realização de testes genéticos é devida pelos planos de saúde suplementar quando indicados, mas não pelo sistema único de saúde (SUS). Como é nosso dever criar soluções legislativas e executivas para os mais vulneráveis, carentes, essa proposição objetiva suprir essa necessidade, pelo  que peço sua aprovação pelos nobres que perfazem essa Casa de Leis.

    Você não tem permissão para enviar voto. Cadastre-se ou faça login para votar!

    Total de 0 Votos
    0%
    Anuncie Aqui